Notícias

Mantenha-se atualizado
Anterior
Próxima

Pacientes com HIV/ Aids são mais propensos a doenças oculares

02/12/2019

O HIV/AIDS pode facilitar o aparecimento de inúmeras doenças e infecções oportunistas, uma vez que o vírus compromete o sistema imunológico dos pacientes diagnosticados. O que pouco se sabe, no entanto, é que algumas dessas complicações podem afetar gravemente a saúde ocular, levando, inclusive, à cegueira – caso não haja diagnóstico e tratamento precoces.  Dentre os problemas mais comuns, o deslocamento da retina, lesões nos vasos sanguíneos e infecções oculares.

De acordo com a estimativa da médica oftalmologista do DayHORC, Carla Cordeiro, empresa do Grupo Opty, cerca de 70% dos pacientes com distúrbios avançados, em decorrência da doença, apresentam algum problema na visão. Por isso, o especialista faz um alerta para que as pessoas redobrem a atenção para os cuidados com a saúde dos olhos, logo após terem conhecimento sobre a infecção pelo HIV. “O diagnóstico precoce é sempre o maior aliado contra o agravamento de doenças, sejam elas oportunistas ou não. É imprescindível que os portadores realizem, constantemente, exames de rotina e aumentem o número de idas aos consultórios oftalmológicos”, afirma.

De forma geral, o vírus pode afetar qualquer parte dos olhos, desde as áreas mais superficiais, como as pálpebras, até os tecidos mais profundos, como é o caso da retina e dos nervos. Quanto mais avançada está a doença, maior é a probabilidade de o paciente ter complicações na região dos olhos, em razão da baixa imunidade.

Ainda de acordo com o especialista, os principais problemas oculares provocados pelo HIV são lesões nos vasos sanguíneos, que causam sangramento e podem alterar a capacidade visual; a retinite, em decorrência da infecção pelo vírus citomegalovírus; as infecções pelo vírus varicela zóster, que podem levar a necrose progressiva da retina; a toxoplasmose ocular, que costuma causar sensibilidade à luz, dor e diminuição da acuidade visual; e o sarcoma de Kaposi, tumor que afeta as regiões que contém pele e mucosas, podendo causar danos graves à visão.

Segundo a médica oftalmologista, Carla Cordeiro, a escolha terapêutica vai depender do agravamento, do tipo de doença ou infecção e do estágio em que ela se encontra. “Podem ser administrados antirretroviral, antibióticos ou, até mesmo, ser necessária intervenção cirúrgica para melhorar a visão do paciente”, conclui.